Ressurgindo das cinzas...

terça-feira, fevereiro 25, 2014

Depois de abandonar o blog por 3 meses, eis que estamos de volta...
Na verdade, até o mês passado nem pensava em voltar a escrever por aqui, pois não tinha nem inspiração nem muitas novidades...e somado a isso vinham os problemas e as decepções de se viver em condomínio.

Para vocês entenderem vou fazer um resuminho da história toda:
Há quatro anos atrás (tudo isso mesmo????) assinávamos o contrato do nosso primeiro lar. Depois de dois loongos anos de espera, uma ansiedade imensa e inúmeros planejamentos do cantinho perfeito para nós, finalmente veio o grande momento: a entrega das chaves. Como todo casal que compra seu primeiro imóvel, os sonhos e a felicidade não tem tamanho, afinal é uma realização muito grande na vida de duas pessoas.
Com as chaves em mãos e um sorriso imenso no rosto, começamos devagarinho as reformas no nosso apartamento, que apesar de não ser tão big, era perfeito. Só tínhamos tempos de ir lá à noite, e ficávamos abismados com a tranqüilidade do lugar, o silêncio da rua e no prédio inteiro, ver que muitos vizinhos eram amigos e conhecidos e outros que conhecemos depois e descobrimos serem pessoas muito bacanas.
Passado o stress da escolha de materiais, compras de produtos, móveis e tudo mais que um lar precisa para ser habitado chegou o grande momento da mudança. As primeiras noites foram um pouco perturbadas pela estranheza do novo quarto e os barulhos aos quais não estávamos habituados.
Meses se passaram e a irritação com esses barulhos foram aumentando, pois noites sem conseguir dormir direito acabam virando um problema. E a fonte desses barulhos: nossa vizinha de baixo.
Sabíamos com certeza que era a vizinha de baixo, pois acima de nós até hoje tem 3 apartamentos vazios e as 2:00 da madrugada (sim, 2:00 da manhã) o apartamento dela era o único com luzes ligadas.
Desde que nos mudamos, nunca conseguimos ir dormir no horário que gostaríamos, sempre dependíamos da boa vontade da vizinha em fazer silêncio, o que geralmente acontecia depois da 1 da manhã.
Mais tarde descobrimos que a mulher mora de aluguel ali, aí sabíamos que não seria resolvido tão fácil assim. Dito e feito, reclamamos com a síndica na época e o problema se resolvia por 2 a 3 dias, depois tudo voltava a ser como antes: portas batendo, risadas e conversas que ouvíamos de camarote, passos profundos quando a individua caminhava, cadeiras arrastando...enfim, acredito que ela fazia limpeza ou alguma coisa do tipo a esse horário porque era barulho que não acabava mais.
Pode parecer exagero meu, mas quando a mulher caminhava no andar de baixo a delicadeza era tanta que às vezes chegava a vibrar as paredes do nosso apartamento, pois sentíamos pela cabeceira da cama que fica encostada na parede. Para vocês terem idéia, ouvíamos até quando ela ligava e desligava o interruptor da luz.
Enfim, com o tempo fomos desanimando, o apartamento foi perdendo o encanto e passamos a não investir mais nele, pois o nervosismo que passávamos todos os dias foi ficando demais. Por isso, o desejo de nos mudar dali foi crescendo a cada dia e à meses viemos cogitando possibilidades.
Aposto que vocês estão se perguntando porque eu não comunicava a síndica????
Comunicar eu comuniquei...e várias vezes, porém diversas vezes que eu ligava para ela, esta já estava dormindo, afinal ela conseguia. E neste meio tempo houve a troca da gestão, e o novo síndico muito querido por sinal, falou diversas vezes com a vizinha de baixo, mas o mesmo se repetia: o silêncio depois das 22:00 durava por 2 ou 3 dias. Temos em convenção que se recebe advertência por 3 vezes depois você só recebe multa, porém as vezes que eu reclamei com a síndica anterior não contaram e a vizinha continua incólume com seus barulhos infernais.
Somos tão azarados que no dia que o síndico conseguiu vir no nosso apartamento ouvir os barulhos, a infeliz saiu de casa quando ele chegou, acreditam????
Enfim, desistimos e continuamos convivendo com os barulhos e por mais raiva que nos desse é o nosso atual lar.
Mas nas últimas semanas parece que houve mudanças. Não sei se agora ela trabalha e precisa levantar cedo como nós, mas ela está obedecendo aos horários e pela primeira vez nesses 8 meses que moramos lá, conseguimos ir dormir as 22:30.
Torçam por nós para que isso continue, assim me animo a vir aqui com mais freqüência, afinal de que adianta vir aqui escrever se não temos sossego no único lugar que deveríamos ter.

Para finalizar, desculpem pelo texto imenso, mas precisava desabafar e deixar um recado para quem vai se mudar ou se mudou recentemente para seus respectivos apês..colaborem com os seus vizinhos!! Hehehehehe

Prometo voltar em breve para atualizar vocês de como o apê está hoje e das compras recentes...

Bjos e espero que não tenham me abandonado =]